Você sabe o que é emetofobia?  

Doutor Já Redação

Entendendo a emetofobia

A emetofobia é uma fobia específica que envolve o medo extremo de vomitar, ver vômito, olhar outras pessoas vomitando ou de se sentir mal.

Geralmente, a maior parte das pessoas não gosta de vomitar. Pessoas com emetofobia, gastam muito tempo se preocupando com o vômito, mesmo se elas próprias ou outros indivíduos perto não estejam passando mal. Algumas vezes, apenas o pensamento de que alguém possa vomitar é o suficiente para causar um estresse intenso.

Essa angústia constante pode ter um grande impacto na vida diária. Por exemplo, você pode temer comer por medo de que algo o faça vomitar. Ou evitar dirigir porque há uma probabilidade de você ficar enjoado. Talvez você fique longe de banheiros públicos devido ao medo de alguém estar vomitando lá.

Enquanto a ansiedade causada pela emetofobia pode ser grande, geralmente, a condição é tratada com a ajuda de um terapeuta.

Não tem Plano de Saúde? Conheça agora o Cartão Doutor Já!

Quais são os sintomas?

Ter emetofobia significa que você fará um esforço maior para evitar situações em que você ou alguém possa vomitar. Talvez você se encontre pensando em como evitar esses cenários.

Outros fatores da emetofobia são:

  • Eliminar alimentos que você associa aos vômitos
  • Comer devagar, comer muito pouco ou comer apenas em casa
  • Cheirar ou verificar os alimentos com frequência para ter certeza de que não estragaram
  • Não tocar em superfícies que possam ter germes que causam doenças, como maçanetas, assentos ou descargas de banheiros, corrimãos ou computadores públicos
  • Lavar as mãos, pratos, comida e ferramentas de preparação de alimentos excessivamente
  • Evitar beber álcool ou tomar medicamentos que possam causar náuseas
  • Evitar viagens, escola, festas, transporte público ou qualquer espaço público lotado
  • Ter dificuldade para respirar, aperto no peito ou batimentos cardíacos aumentados ao pensar em vômito

Esses comportamentos são acompanhados de sintomas da saúde mental, tais como:

  • Medo extremo de ver alguém vomitar
  • Medo extremo de ter que vomitar, mas não ser capaz de encontrar um banheiro
  • Medo extremo de não ser capaz de parar de vomitar
  • Pânico ao pensar que não será capaz de sair de uma área lotada se alguém vomitar
  • Ansiedade e angústia quando se sentir enjoado ou pensar em vômito
  • Pensamentos persistentes e irracionais que ligam uma ação a uma experiência passada envolvendo vômito

Além disso, pessoas com fobias específicas geralmente estão cientes de que a sua reação ao objeto da sua fobia não é comum. Por exemplo, você pode fazer tudo que está no seu poder para comer refeições preparadas por outras pessoas, mas você sabe que essa não é a forma que a maior parte das pessoas vive.

O que causa isso?

As fobias específicas frequentemente desenvolvem-se após um acidente envolvendo o objeto de medo.

Na emetofobia, isso pode envolver:

  • Ficar extremamente doente em público
  • Ter um grave caso de intoxicação alimentar
  • Ver alguém vomitar
  • Alguém vomitar em você
  • Ter um ataque de pânico durante um incidente de vômito

A emetofobia também pode se desenvolver sem uma causa clara, levando os especialistas a pensar que a genética e o seu ambiente possam desempenhar um papel. Por exemplo, ter uma família com histórico de fobias ou outros transtornos de ansiedade pode aumentar o seu risco.

Se você não consegue identificar qualquer experiência que possa ter levado à emetofobia, não se preocupe. O tratamento ainda pode ajudar, mesmo que você não saiba o que originalmente causou a fobia.

Como é diagnosticada?

O medo extremo ou ansiedade acerca de um objeto ou situação é geralmente diagnosticado como fobia, causando uma angústia que afeta negativamente a sua vida de forma geral.

Outros critérios para um diagnóstico de emetofobia são:

  • Uma resposta significativa de medo e ansiedade que acontece imediatamente após ver ou pensar em vômito
  • Evitar ativamente situações que poderiam envolver vômito
  • Sintomas que duram pelo menos seis meses

Alguns dos principais sintomas de emetofobia envolvem um comportamento obsessivo-compulsivo, então, a emetofobia pode primeiro se apresentar como TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

Como é tratada?

As fobias nem sempre requerem tratamento. Em alguns casos, as pessoas encontram maneiras de contorná-las. Mas o medo de algumas situações ou objetos, tais como nadar e elevadores, são mais fáceis de evitar do que outras.

De forma geral, é uma boa ideia procurar ajuda se a sua fobia afeta a sua qualidade de vida ou se você encontra-se considerando como as coisas seriam diferentes se você não tivesse uma fobia.

A maior parte das pessoas acha que a terapia de exposição e, em alguns casos, medicação fornecem um alívio.

Terapia de exposição

A terapia de exposição é considerada como um dos tratamentos mais eficazes para fobias específicas. Nesse tipo de terapia, você trabalhará com um terapeuta para lentamente se expor ao que você tem medo.

Para o tratamento de emetofobia, isso pode envolver comer uma comida nova em um restaurante ou ficar girando até você se sentir um pouco enjoado. Conforme você tenta essas coisas, o terapeuta também ensinará técnicas que ajudarão você a lidar com a ansiedade e o medo durante a exposição.

Se isso parecer sufocante, considere procurar sobre a dessensibilização sistemática. Esse é um tipo de terapia de exposição que envolve enfrentar seus medos ao longo de múltiplas exposições que gradualmente se tornam mais intensas.

Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

A TCC é um tipo de terapia que o ajuda a aprender a identificar e desafiar pensamentos negativos que causam angústia.

A TCC para fobias específicas também envolve a exposição a sua fobia. Conforme você é gradualmente exposto, trabalhará com o seu terapeuta para enfrentar a ansiedade e angústia que você vive quando pensa em vomitar e para aprender maneiras de lidar com isso por conta própria.

Como encontrar um terapeuta

Encontrar um terapeuta pode parecer assustador, mas não precisa ser. Comece fazendo algumas perguntas básicas:

  • Quais problemas você quer resolver? Esses podem ser específicos ou vagos.
  • Há alguma característica básica que você quer em um terapeuta? Por exemplo, você fica mais confortável com alguém que compartilha o seu gênero?
  • Quanto você pode gastar realisticamente por sessão?
  • Onde a terapia irá se encaixar na sua agenda? Você precisa de um terapeuta que possa vê-lo em um dia específico da semana? Ou alguém que tenha sessões noturnas?

Medicação

Enquanto a medicação não pode especificamente tratar a fobia ou fazê-la ir embora, certos remédios podem reduzir os sintomas de ansiedade e pânico.

Os bloqueadores beta-adrenérgico podem ajudar a evitar o aumento da pressão arterial e batimentos cardíacos, resultados da adrenalina. É sugerido tomá-los antes de entrar em contato com situações que podem desencadear a sua fobia.

Os benzodiazepínicos são sedativos que podem ajudar você a se sentir menos ansioso, mas podem ser viciantes e não são recomendados para uso em longo prazo.

Contudo, é necessário consultar o seu médico antes de tomar medicações. Terapias são mais recomendadas para casos de fobias.

Fonte: Health Line

Não tem Plano de Saúde? Conheça agora o Cartão Doutor Já!

F